Pular para o conteúdo principal

O PIANO, 1993, DE JANE CAMPION



Filme: The Piano
Diretora: Jane Campion
Roteirista: Jane Campion
Elenco: Holly Hunter (Ada MacGrath), Ana Paquin (Flora MacGrath), Sam Neill (Alisdair Stewrat) e HArvey Keitel (George Baines)
Ano: 1993



O Piano não é um filme novo, mas é sempre um prazer revisitá-lo.

O filme se passa no séxulo XIX e conta a história de uma mulher escocesa, Ada McGrath , que não fala (ou se recusa a falar) desde os seis anos, e que tem uma filha chamada Flora McGrath. Ada se comunica com as pessoas através de gestos, mas, sobretudo, através de sua filha que lê as anotações em um bloquinho que ela carrega pendurado no pescoço.

A vida de Ada se transforma quando é oferecida em casamento a um homem (Alisdair Stewart) que reside na Nova Zelândia. Ele é um colonizador que negocia com as etnias locais, os maori. Lá vive um outro homem branco (George Baines), culturalmente híbrido, que se apaixona por Ada e que a seduz através do piano, levado durante a viagem, mas que fica na praia devido ao seu peso. Sabendo do valor do instrumento para Ada, Baines trata de buscar o piano, mas condiciona a devolução a algumas concessões: de tocá-la, acariciá-la, enquanto ela toca. No decorrer, Ada resiste, mas, por fim, se apaixona.

Em um dado momento, depois de negociar as "aulas" de piano pelo número de teclas pretas existentes no instrumento, Baines recua em sua estratégia, convencendo-se e convencendo-a de que a estava prosituindo. Mas Ada, acostumada com a recompensa, já estava envolvida e, a partir daí, tornam-se amantes. O marido descobre e amputa um dos dedos de Ada a golpes de machado. Baine e Ada são deportados da Ilha e com um dedo indicador artificial, ela passa a dar aulas de piano na cidade.

O Piano é um filme que trata de várias questões que se entrecruzam: questões étnicas, de gênero, colonização, que nos permitem leituras sob vários prismas. Contudo, fica muito claro que a colonização foi feita dentro de uma política de opressão racial, étnica e de gênero. O filme deixa entrever as contradições, por exemplo, do próprio Baines, homem branco, que, embora tenha acesso a cultura maori, e mais sensível às questões étnicas locais, age dentro de uma lógica de opressão de gênero, já que se utiliza de estratégias de estímulo-recompensa para seu benefício, fazendo Ada subordinar-se e realizar os seus interesses. Ao tentar condicionar o acesso da mulher ao piano através de favores sexuais, o personagem constrói um ciclo em torno do qual a mulher precisaria passar para obter o seu prazer, isto é, o homem se coloca como meio para a mulher obter qualquer tipo de prazer, satisfação, tornando-o necessário. Isso fica claro quando Ada, já com o piano em casa, se nega a tocá-lo. O objeto de desejo de Ada, que era o piano, é substiuído pelo objeto de desejo homem. No final do filme, esses desejos são fundidos, pois ela retoma a relação com Baine e volta a tocar.

As tensões também são mostradas quando Ada está com o marido, já que este se sente desempoderado por não conseguir se aproximar da esposa tanto afetivamente quanto sexualmente. Essa impotência desliza para uma violência extrema quando descobre que Baine e a esposa são amantes, situação que o afronta duplamente em relação a Baine e a Ada, ambos desafiando-o em sua masculinidade. Além disso, o marido é um negociante muito ruim com os maori o que o leva a depender sempre de Baine para mediar o conflito.

Além das questões de gênero, atravessam na narrativa fílmica questões sobre a colonização, ao expor as estratégias, sobretudo da igreja, no processo de aculturação. A religião faz uso do teatro para impor uma moral cristã ao povo maori, induzindo-os a punirem aquele que desafia a ordem patriarcal. Uma cena emblemática mostra os homens nativos incidindo contra o palco em defesa da mulher, vista por detrás de um pano branco sombreada pela luz, que está sendo agredida por um machado - numa clara alusão ao caso de Ada e Baines - por um homem. Esse gesto dos nativos mostra que o patriarcado nos países colonizados esteve atrelado a uma opressão étnico-racial e que naquele grupo étnico a relação de gênero era diferente do que o código ocidental sustentava.

O Piano é um filme para ser ver muitas vezes por tudo que ele faz sucitar.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…