Pular para o conteúdo principal

O Leitor (The Reader, 2008)


“It doesn't matter what I think. It doesn't matter what I feel. The dead are still dead.” Hanna Schmitz

O filme mais recente que vi foi O Leitor, antes mesmo da noite do Oscar. Sabia que os comentários feitos em relação ao envolvimento de uma mulher madura (Kate Winslet/Hanna Schmitz) e um jovem (David Kross/Michael) não era o eixo principal do filme, mas acreditar nisso parecia justificar a ida de muitos ao cinema. O filme é muito mais que uma história de amor entre pessoas de gerações diferentes e, o fato de ter sido visto por esse ângulo, já me permite alguns questionamentos: por que interessa às pessoas irem ao cinema para ver essa relação? O que as pessoas querem ver ou sentir a partir disso? Essa é uma discussão interessante e embora reconheça isso, por ora, penso que seja oportuno dizer que o filme é uma história de amor, sim, mas entre a personagem Hanna e a palavra, entre uma mulher analfabeta e a escrita.

O filme se passa nos anos 50, após a Segunda Guerra Mundial, quando a Hanna Schimtz, ex-vigilante do campo de concentração, passa a viver em situação difícil como “cobradora”. Para lidar com os horrores de uma realidade tão desumana vivida nos campos de extermínio, refugia-se na literatura através da qual consegue ter algum prazer e alívio diante do que fez. Era analfabeta e por isso precisava de alguém que lesse para ela. Foi quando conheceu Michael, um adolescente que, diante de sua curiosidade, logo após ter sido cuidado por ela quando o encontrou febril na rua, próximo a sua casa, passou a freqüentá-la, surgindo dali uma cumplicidade de prazeres mútuos.

Porém, quase dez anos depois, Hanna seria acusada pelas mortes das pessoas durante o holocausto. Foi incriminada por ter escrito o relatório, mas envergonhada de dizer que não sabia escrever e diante da imposição da Corte de fazê-la redigir em um papel para comparar a caligrafia, assume a responsabilidade de ter comandado as práticas no campo de concentração. No julgamento está presente Michael que mesmo percebendo naquele momento as suas limitações não interveio, alegando que ela mesma preferia ocultar esse fato.

Condenada a prisão perpetua, Hanna passa a viver das fitas cassetes que Michael lhe envia até que, não querendo mais depender dele, resolve aprender sozinha a escrever, ouvindo os fonemas pronunciados por Michael e comparando as formas escritas. Hanna se liberta, embora fisicamente presa, através da escrita. Quando está para sair da prisão, certamente por revisão do seu processo, Michael vai buscá-la, pois não há ninguém a sua espera na sociedade. Michael lhe assegura um emprego e um imóvel para morar. Durante a conversa percebe que diante de si existe um outro Michael, indiferente, um estranho. Quando retorna ali uma semana depois para buscá-la, ele tem notícia de seu suicídio. A morte passa a ser a saída para Hanna já que não teria mais sentido a sua existência, pois já estava completamente livre, inclusive para decidir sobre a sua própria vida.

Um filme espetacular que me emocionou muito pelofato de perceber nele como uma força interior, uma necessidade de liberdade, pode impelir alguém a realizar algo tão revolucionário mesmo em condições extremamente adversas, a tal ponto de modificá-la substancialmente. Vi o suicídio de duas formas: como o momento da consciência de plenitude, pois não se tem mais o que esperar do mundo, e, por outro lado, como forma de acabar com o sofrimento que a aguardaria, de desajuste com um mundo fora do presídio tão indiferente e estranho quanto foi o seu encontro com Michael adulto.
Um canto de amor à literatura, à palavra. TOCANTE.

A forma como ela aprendeu a ler mostra como um desejo maior que vem de dentro do indivíduo, através do fascínio pela palavra, com todos os seus encantos, consegue neutralizar as forças negativas que incidiam sobre ela. A literatura, a palavra, era o seu oxigênio, precisava daquele gesto para sobreviver, talvez, por isso, um filme tão visceral e extraordinariamente poético.

Citações:

"Young Ilana Mather: [Testifying in court] Each of the guards would choose a certain number of women. Hanna Schmitz chose differently.
Judge: In what way differently?

Young Ilana Mather: She had favourites. Girls, mostly young. We all remarked on it, she gave them food and places to sleep. In the evening, she asked them to join her. We all thought - well, you can imagine what we thought. Then we found out - she was making these women read aloud to her. They were reading to her. At first we thought this guard... this guard is more sensitive... she's more human... she's kinder. Often she chose the weak, the sick, she picked them out, she seemed to be protecting them almost. But then she dispatched them. Is that kinder?" (http://www.imdb.com/title/tt0976051/synopsis)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…