Pular para o conteúdo principal

REVOLUTIONARY ROAD (Foi apenas um sonho)

Foi apenas um sonho” é o nome do título escolhido para a tradução de “Revolutionary Road”, filme estrelado por Di Caprio e Winslet, conhecidos pelo par romântico no filme Titanic. Aparentemente parece não ter nada a ver, mas o título original e a sua tradução para o português (BR), associado a trama do filme, parecem evocar um passado, lido pelo presente, como um "sonho" de conquistas que aponta para uma realidade frustrante ou na melhor das hipóteses como uma utopia de juventude que, quando vista pelo presente adulto, aparece como uma experiência de um momento da vida e como escape para os conflitos provocados pelas relações cotidianas. Revolutionary Road (Caminho Revolucionário) representa um dos bairros do subúrbio dos Estados Unidos construído para as famílias de classe média que migraram para esses espaços em busca de segurança e tranqüilidade. Esses espaços começaram a ser amplamente resididos nos anos 50, momento em que o discurso da “mística feminina” será fortemente propagado e, também, questionado pelos intelectuais dez anos depois. Betty Friedan, em 1968, com o livro "A Mística Feminia" e Richard Yales, em 1961, com o romance "Revolutionary Road". A década de 60 representou o momento histórico em que artistas, intelectuais e membros organizados da sociedade civil questionaram os valores da classe burguesa, daí o traço existencialista marcante e presente nos personagens de "Foi apenas um Sonhos", April e Frank Wheeler. Ela que sonhava em ser atriz, acaba se tornando uma dona-de-casa e ele que esperava alçar vôos, que incluía Paris, permaneceu em seu emprego, tentando sustentar a família. É um filme que questiona o sentido de felicidade e de realização de homens e mulheres na família. Se o discurso hegemônico propaga a ideologia da família como o “lar doce”, tranqüilo e seguro, como as imagens das casas oferecem, no seu interior, nas vidas das pessoas o que predomina é justamente o contrário, como afirma o autor Yates em entrevista concedida em 1972:

"Eu acho que isso significava mais como uma denúncia da vida Americana na década de 1950. Porque durante os anos cinqüenta, houve uma conformidade de entusiasmo geral em todo o país, não apenas periferia - uma espécie de cegueira, uma desesperada adesão à proteção e segurança a qualquer preço, como exemplificado politicamente na administração Eisenhower e do Joe McCarthy Witchhunts. Enfim, um grande número de americanos foi profundamente perturbado por tudo isso - sentiu ser uma traição definitiva dos nossos melhores e mais bravos revolucionário espírito - e esse foi o espírito que tentei encarnar na personagem, em April Wheeler. Eu quis dizer que o título que o caminho revolucionário de 1776 tinha chegado a algo muito semelhante a um beco sem saída nos anos cinqüenta."

Está clara a referência aos ideais burgueses que fizeram eclodir a independência dos Estados Unidos, mas que, para o autor, foram traídos pelo programa republicano do então presidente Eisenhower, considerado conservador e que criava operações de "segurança social" por meio de projetos de fortalecimento da
política do país pautados no fortalecimento dos valores familiares burgueses.

O filme mostra o impacto dessas intervenções do Estado na vida das pessoas, vendendo seuas ideais e valores humanos em detrimento a uma vida hipócrita familiar em que as pessoas se vêem destruindo seus projetos de vida profissional, portanto de realização pessoal, para viverem confinadas a uma rotina familiar isolada, onde sonhos foram solapados em nome de um ideal pequeno-burguês de família. A prosperidade material estava longe da realização pessoal dos Wheelers.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…