Pular para o conteúdo principal

O ENVELHECIMENTO EM UMA COMÉDIA-DRAMÁTICA


"Achei o filme muito feminino. Mulheres envelhecendo são vistas como uma tragédia e foi preciso uma cineasta mulher para ver diferente.” (Isabella Rosselini)



Isabella Rosselini e William Hurt no cemitério
Assisti no dia 04/12 ao filme "Late Bloomers", já referido neste blog, da diretora Julie Gravas. Confirmando o que havia dito antes, o filme trata de uma questão central: o envelhecimento. Os personagens Adam e Mary,  vividos por William Hurt e Isabela Rosselini, respectivamente, formam um casal sexagenário que experimenta todas as mudanças trazidas com o avançar da idade: limitações físicas, lapsos de memória, perda de lugar no campo profissional, perda da visibilidade social, entre outras questões. Acontece que mesmo envelhecendo juntos, a forma de Mary e Adam responderem ao envelhecimento é diferente: ele se preocupa em não perder espaço (e poder) no âmbito profissional, empenhando-se em um projeto arquitetônico para o qual não consegue patrocínio, contando apenas com jovens voluntários que em um determinado momento anunciam a necessidade de um apoio financeiro, de alguém que aposte em um projeto para a construção de um museu. Adam abraça a ideia e dá início ao projeto às escondidas, já que o projeto para o qual foi convidado a desenvolver é um espaço de convivência para velhos, o que ele obviamente evita assumir.


Já a esposa, preocupada com os lapsos de memória, empenha-se em se manter mentalmente em atividade, buscando ressocializar-se, já que não trabalha há muito tempo, diferentemente do marido, e por isso parte em busca de atividades sociais como voluntária para exercitar a memória que ela acredita estar perdendo. Além disso, tenta sentir-se sexualmente atraente, preocupando-se com aspectos relacionados à beleza a fim de se manter visível, o que para a mulher significa ser jovem.



“Não gostava muito de andar em Roma, com os caras assobiando, ou fingindo tropeçar e passando a mão na sua bunda. Sempre achei ameaçador, não me sentia lisonjeada. Quando isso foi embora com a idade, meio que gostei.” (Isabella Rosselini)




Adam passa a conviver com os estagiários e com isso muda a alimentação (passa a comer pizza, beber redbull); altera o horário de dormir (ao virar a noite em um bar); muda o vestuário (trocando a camisa social por uma jaqueta de couro preta), e se nega a ter em casa equipamentos e suportes que o façam se lembrar da idade. A esposa corta os cabelos, faz visitas frequentes ao espelho e resolve, por sugestão médica, fazer atividades físicas. No lugar onde faz natação, conhece um homem que resolve cortejá-la, o que os leva a ter um affair. Adam também tem a oportunidade de viver um momento íntimo, quando uma jovem estagiária se despe à sua frente, mas o ato sexual não se concretiza e o filme deixa transparecer o ponto de vista do personagem que atribui à idade da estudante a não consumação do gesto.

Do ponto de vista de gênero, o filme deixa explícito que a invisibilidade da personagem feminina passa pelo código social que a condiciona a existência da mulher à beleza e, por conseguinte, à juventude. A necessidade do cortejo já aponta para isso, o que não acontece quando o assunto é o trabalho, aparecendo como uma ação que independe de um reconhecimento profissional, como no homem, e mais uma intervenção social. Neste sentido, fica demarcado como a sociedade separa as atividades por gênero, sendo que no filme há um leve deslocamento de peso, já que a atividade voluntária passa a ser mais importante porque corresponde a realidade, enquanto que o projeto quixotesco, de construção de um museu, aparece já destinado a não existir, mal consegue sair da maquete.

Ao escolher o museu, acredito que a diretora buscou metaforizar o desejo da personagem em fixar o tempo, embalsamá-lo, mas já mostrando a impossibilidade. O filme mostra que o velho não tem que viver do passado, mas do presente, daí o centro de convivência aparecer com mais funcionalidade em um mundo que envelhece, mas que não permite que mulheres e homens envelheçam com dignidade, respeitando as suas dimensões humanas. Há uma cena hilariante em que Mary pensativa e deprimida com a sua invisibilidade se nega a aceitar a vaga de assento em um ônibus feita por um jovem.
Do ponto de vista geracional, o filme, ao confrontar mulheres de idades diferentes, destaca a superficialidade das mais jovens, fruto de uma sociedade veloz que não oferece tempo para dar consistência às ideias e ações. Na cena em que Rosselini vai visitar uma organização “filantrópica” e se autodeclara feminista, a jovem a encara sem conseguir disfarçar a sua indiferença, continuando a pronunciar frases aceleradas e vagas. O desrespeito às pessoas velhas que realizam naqiele espaço um trabalho voluntariado fez com que Mary irrompesse indignada de dentro de uma sala.

O filme é uma comédia-dramática ao estilo europeu, sobretudo em se tratando de uma diretora, mesclando questões sérias com leveza. Existem partes do filme que as emoções chegam a se confundir, pois não sabemos se rimos, se ficamos consternados com as dificuldades das personagens em envelhecer ou se contemplamos especularmente o estado de lucidez das personagens sobre o estar velho, o que implica em uma consciência de si em tensão com os sentidos que a sociedade projeta sobre o estado da velhice.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…