Pular para o conteúdo principal

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.

Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.

Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de um caso evidente de violência contra a criança. Onde fica o estatuto da criança e do adolescente? A violação é dupla: por parte dos pais irresponsáveis e egoístas e dos empresários gananciosos.

Os cinemas têm permitido que os pais ou qualquer adulto entrem com seus filhos nas salas mesmo que o filme não seja adequado para eles. A ganância chegou a tanto que se perdeu a noção da ética e de responsabilidade, permitindo que se sacrifique o bem-estar de crianças em prol do lucro e da diversão do adulto. 

Levar uma criança de colo para o cinema é um ato criminoso porque afeta a integridade física e mental da criança, da mesma forma que deixá-la entrar para assistir a filmes incompatíveis com a sua idade. Será que os juizados não estão vendo isso? Aconteceu também nos cinemas do Shopping Center Iguatemi, isto é, virou rotina.

Se a gerência dos cinemas não tomarem providências e se os juizados não autuarem esses espaços, os cinemas se tornarão uma sala de qualquer coisa, menos de cinema.

Comentários

  1. Olá professora,bom dia!Acredito que não só os cinemas dos shoppings Salvador Norte e Iguatemi estão incentivando essa agressão com as crianças..Sou jornalista e inclusive aqui em Vitória/ES já um colega meu já fez matéria sobre cinema exclusivo para crianças..crianças que digo pequenininhas mesmo..muitos bebês! Em imaginar que assisti meu primeiro filme no cinema no final da minha adolescência..certo, um pouco tarde mas não me arrependo, mesmo morando numa capital sempre gostei mais de ler livros, de escrever..o fato é que os valores estão mudando tanto de forma assustadora..Um bebê não tem nem consciência do que é aquilo na tela, mas o ambiente barulhento, friorento ele pode sentir depois quando sentir afetada sua saúde..São tantos pais "sem noção" hoje em dia que chega a dar medo..Tratam crianças como se fossem adultos e pior que no munco capitalismo é dificil empresario mudar o ponto de vista deles, mesmo destruindo valores e afetando a família!É uma lástima!Queria parabenizá-la pelo blog!
    Ah!Permita-me convidá-la para visitar meu humilde espaço recém-criado: é o www.parafrasecorriqueira.blogspot.com, ok? É simplezinho,mas as ideias contidas nos textos são muito sinceras!Fique à vontade para entrar,ler,comentar e até seguir, se for do seu interesse!

    Fica com Deus!
    Forte abraço.
    Priscila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Prisicila, me incomoda muito aqueles seres com peles tão sensíveis e delicadas serem submetidos ao forte ar-condicionado, barulho... pense nas bactérias ali presentes. Os pais não podem se sacrificar um pouco em prol da saúde e bem-estar dos filhos.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Priscilla
    Obrigada pela sua postagem.
    A presença de bebês nos cinemas é incômoda para eles, assim como para quem quer assistir ao filme. Os bebês começam a chorar diante do som e do frio. É constrangedor ficar em um ambiente assim. Talvez por isso as pessoas (que podem) têm preferido ter um cinema em casa. Tela, projetor, um leitor de dvd ou blu-ray, home theater e um clima propício para assistir ao filme . E que os cinemas fiquem à mercê dos gananciosos e acomodados.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Pra quem nao tem filho é muito facil julgar ! Tenho um bb de 5 meses , eu e meu marido estamos doidos para ir ao cinema , mais ainda nao posso deixa-lo com ninguem pois ele so mama no peito . Li varias materias que ensinam como levar o bb ao cinema sem causar constragimento . Qto ao anbiente frio existe roupa de frio pra isso , mictoorganismos e fungos ? isso ta no ar em qualquer lugar nao so no cinema mais na rua e dentro de nossas casas . Existem medidas para bao atrapalhar as outras pessoas que assim como vc tbm esta afim de ver um bom filme . Sentar no corredor , levar comida suco coberto e algum brinquedo pra crianca , se mama no peito melhor ainda , fica mais facil acalmar e fazer o bebe dormir , afinal vai estar aconchegado no colo quentinho da mae. Acho q as pessoas deviam se colocar mais no lugar dos outros antes de apontar o dedo e falar : Olha la a mae ruim que leva seu pobre bebe ao cinema " Sou mae , nao um ET que nao tem necessidades , quero lazer e diversao como qualquer pessoa normal , sei dos limites pq quando se é mae e pai abrimos mao de muita coisa , mais nao sou radical ...

    ResponderExcluir
  5. Gente tbm sou mãe, e acho isso um ato egoista.Um recem nascido ainda é muito fragil e o som alto pode prejudicar a saude do nenem. O ouvido dele ainda ta muito sensivel como todo seu corpo, então acredito que não existe nada melhor como bom senso e uma boa conversa com seu pediatra.

    ResponderExcluir
  6. Eu fui ontem no cinema e presenciei essa cena "grotesca"... Um bebê chorando durante todo o filme... Foi um "choque" para mim, pois não conseguia entender o que é mais absurdo, uma mãe fazer isso, ou o cinema permitir fazê-lo. Agora vejo que tem coisa ainda pior, pessoas virem a público defender essa "causa"... Realmente, não tenho palavras, acho que deve ser um ET de outro planeta...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…