Pular para o conteúdo principal

Violência e resignação das personagens femininas

Alguns filmes voltados para o público juvenil têm me chamado a atenção pelo grau de violência física e simbólica contra a mulher e a resignação delas diante da situação. Um dos filmes, Crepúsculo, é um convite a aceitação da mulher à violência que incide contra ela, baseando-se, muito certamente, na cultura patriarcal que insiste em atribuir às mulheres a missão de converter hostilidade e ódio em amor incondicional. Esse pensamento não é novo, mas nunca é demais mostrá-lo sempre que ele aparece, principalmente em se tratando de um veículo moderno - na acepção de que foi inventado na modernidade- e poderoso como o cinema.

Uma das cenas emblemáticas sobre o tema no filme Crepúsculo ocorre quando a protagonista, Bella Swan (Kristie Stwart)diz não importar-se em estar diante do "pior predador do mundo". Ele se mostra altamente perigoso, mas ela parece não perceber o risco e insiste em acreditar que o amor que sente poderá transformar o objeto amado.

Outra cena de filme cuja personagem feminina aparece como "cordeiro imolado", no ápice de seu sacríficio, é X-men: o confronto final, quando Phoenix pede a Wolverine que a mate, ou melhor, a salve, como se estivesse sob domínio de algum mal. O homicídio é justificado de duas formas no filme: primeiro porque ela pede, portanto autoriza, segundo porque existe um mal a ser extirpado da sociedade. Assim, a morte da personagem é aceita por todos porque a personagem é uma ameaça para a humanidade e, claro, o espectador fazendo parte desta, torce para que o heroi cumpra a sua missão. O mal vem metamorfoseado em mulher. Nada de novo. O que me chama a atenção é que alguns estudiosos, homens e mulheres, poucos para a nossa felicidade, insistem em dizer que o patriarcado morreu. Eu, muito particularmente, não consigo vislumbrar essa paisagem.

Para não perder o ritmo, temos ainda no filme Wolverine: o filme, uma outra situação de volência e, também, aceita resignadamente pela mulher. Wolverine fere a sua companheira enquanto dorme e quando ele preocupadamente percebe o ferimento, ela faz um gesto que o tranquiliza, como se não se importasse com o "incidente". A paisagem bucólica do Canadá, no alto das montanhas, bem ao gosto do love in a  cabin, favorece a construção de uma imagem harmoniosa, tranquila, e a ação do personagem, que poderia fissurar essa representação prazerosa, idílica, paradisíaca, é imediatamente dissolvida na recepção da mulher. Não é o homem que deve controlar os seus supostos impulsos naturais (que, diga-se de passagem todo ser humano possui), mas é a mulher que deve abosorvê-lo a fim de não alterar a ordem, o estado das coisas. A questão é que um aspecto natural, do ser humano, é apresentado como sendo uma especificidade do macho - a defesa - retirando da mulher a sua participação nesse universo igualmente contraditório, conflituoso, do qual participam todas as pessoas. Ao conferir apenas ao macho um agressividade natural, dá-se liberdade maior ao homem de negociar mais abertamente e livremente com as forças confliutuosas, cabendo à mulher "sufocar" as suas, escondendo-as para apenas mostrar o que interessa a sociedade patriarcal que ela demonstre. O curioso é que, quando a mulher enfim aprende a exorcizar a sua agressividade, expô-las, inclusive, tal gesto é visto de forma negativa, pouco feminina. Em se tratando da atualidade, um movimento parece nos confundir mais ainda, pois vivemos em uma atmosfera discursiva de valorização das atitudes pacificadoras, mediadoras, conciliadoras, que, por sinal, as mulheres aprenderam muito bem ao longo dos séculos, mas que foram orientadas ao longo dos anos a se comportarem diferentemente porque aquelas atitudes forjavam uma feminilidade que muitas mulheres não queriam alimentar. Com o intuito de romper com a imagem de bem comportada, as mulheres passaram a mostrar também  agressividade.
Voltando para a saga vampiresca, há uma cena em Lua Nova que mostra também a anuência da "vítima" em relação ao agressor. Ocorre quando Sam (o alfa dos lobos)fere o rosto de sua noiva, transfigurando-o. Neste dois últimos filmes, os ferimentos foram decorrentes de uma ação inconsciente do agressor (durante o sono ou transformação), o que significa dizer que os homens não fizeram intencionalmente, mas em um momento em que eles não podiam responder pelos seus atos por estarem dormindo ou por estarem "enfeitiçados". Hoje em dia não são raros os casos em que as mulheres atribuem às forças malignas as ações violentas dos homens, desculpando-os das agressões por estarem "possuídos" por entidades, responsáveis pelo delito.

Esses são quatro dos filmes que eu me recordo neste momento, cuja temática trata da violência contra a mulher, e que são dirigidos para um público que está em formação, em busca de referências identitárias. São filmes que mostram um homem descontrolado, agindo por instinto, e mulheres resignadas, pacificadoras, que tentam contornar a situação a fim de permanecer ao lado deles, ainda que isso lhes custem a vida. Impressionante como as mulheres são representadas reforçando o mito sacrifical, sendo elas as imoladas em prol do amor, isto é, em favor do discurso amoroso que não só ajuda a manter a ordem patriarcal, como ele próprio - o discurso - representante da base ideológica, simbólica que mantém esse modelo de sociedade.

Comentários

  1. gostei de mais do seu texto viu!
    bom saber que mais alguém enxerga essas mensagens veladas nos filmes!
    vi ontem "Entrando numa fria maior ainda com a família" [nome loooongo] e constatei que na maioria das cenas em que a esposa do protagonista aparece ela esta na cozinha...

    abraços! estou seguindo!^^

    ResponderExcluir
  2. Obrigada. Valeu mesmo!
    Vou continuar escrevendo...
    Bjs
    Lúcia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…