Pular para o conteúdo principal

Uma Mulher no Cinema de Caetité

Quando fui aprovada em concurso público para o município de Caetité, quis conhecer logo a cidade. Soube por colegas que havia um arquivo público que reunia parte da memória do município através dos impressos. Dirigi-me para lá. Havia um projeto em andamento, na época, com o propósito de conservar os textos e uma proposta também de microfilmar todo o material.

Durante a pesquisa, conheci um jornal local chamado A Penna, dirigido por João Gumes e fundado em 05/03/1858. Havia também um outro jornal intitulado O Dever.  Nestes jornais, pelo menos os que estavam em condições de manuseio, me interessei em saber como viviam as mulheres naquela época . Então, busquei nas páginas e seções os espaços de atuação das mulheres naquela sociedade, como eram citadas e  como participavam da vida cultural da cidade. Além disso, queria saber se eram assinantes do jornal e se contribuiam em alguma seção.

Encontrei várias referências às mulheres: mulheres que adoeciam, se casavam, se suicidavam, eram violentadas, mas, também, mulheres que se destacavam nas artes e profissões. Nas profissões, o destaque era dado às professoras e nas artes às escritoras. Maria Zita, de Bom Jesus dos Meiras, por exemplo,  escreveu vários poemas que foram publicados nos jornais (ver http://www.mulhereliteratura.blogspot.com/).

Prosseguindo a investigação por mulheres literatas, deparei-me com um fato que me chamou a atenção. Em Caetité, havia um cinema chamado Cine-Vitória que tinha sido reinstalado por D. Maria Pinho de Castro em 22/09/1957.  Uma mulher, portanto, de visão artístico-empresarial que trouxe de São Paulo todo o equipamento necessário para a instalação do cinema na cidade. Certamente é um dado relevante para ser incluído na história do cinema da Bahia, mas que, admito, precisaria de uma pesquisa mais aprofundada sobre a importância do cinema naquela cidade.

Comentários

  1. D. Maria Pinho ainda esta em plena atividade intelectual aos 92 anos de idade e ainda enche seus netos e bisnetos de orgulho.

    ResponderExcluir
  2. Maria Pinho minha avó querida é ainda hoje aps 92 anosj um exemplo a ser seguido!
    Minha avó é uma mulher fenomenal, guerreira, sábia, e dona de um sorriso encantador e de uma mente moderna e brilhante!
    Minha vóvó, quanto orgulho eu sinto de você!
    Muitos beijos
    Flavia

    ResponderExcluir
  3. Na cidade de Caetité deveriam erguer um monumento em homenagem a essa grande mulher. A arte do cinema lhe deve muito. No seu cinema Vitória eram exibitos filmes norte-americanos, europeus, brasileiros, etc. D Maria Pinho só difundiu cultura. Graças a ela o povo caetitense conheceu a sétima Arte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um grande abraço a esta empreendedora senhora. É uma honra para a Bahia tê-la entre nós.

      Excluir
    2. Conheci,quando criança,Dona Maria Pinho.Mulher extraordinária!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…