Pular para o conteúdo principal

CNEMA E PIPOCA

Confesso que comprei um saco de pipoca pequeno (para mim enorme!) quando fui ao cinema no ultimo domingo. Eu não tinha almoçado e não resisti àquelas coisinhas miúdas, brancas, escapolindo pelas bordas do saco, tão expostas, numerosas e convidativas. Cada convite R$5,00!

Comecei inicialmente a pincá-las com os dedos em número de quatro, mas que reduzi a uma quando já estava satisfeita. Percebi então que não tinha alcançado nem 1/4 do saco. Guardei na sacola. Durante a exibição do filme, não tive vontade de comer, nem me senti motivada a contribuir com a orquestração das bocas.

Ao sair da sessão, percebi o quanto a área de circulação no piso dos cinemas multiplex é fortemente marcada pelo cheiro das pipocas. Fiquei enjoada e desci as escadas o mais rápido que pude.

A venda de pipocas faz parte da vida do shopping que dispõe de máquinas fixas, colocadas em lugares estratégicos e de grande circulação. Juntamente com as pipocas, foi adicionado um item: o refrigerante que sugere a atenuação da sede decorrente do uso do sal nas pipoca. Existe a venda do refrigerante também dentro dos cinemas a um preço de R$5,00, o preço de um ingresso (meia), em alguns cinemas.

Alguns cinemas optaram pelo serviço de Café que funciona como um momento de descontração e de encontro antes e depois da exibição. Outros cinemas apostam nas pipocas e nos doces, uma associação que se tornou popularizada pela cultura norte-americana. Segundo Marina Montoura, a venda de pipocas começou nos Estados Unidos nas feiras, sendo incorporada ao cinema nos anos 20 e continuou a ser vendida durante toda a Depressão até os momentos atuais. Hoje ela é responsável por 45% dos lucros dos cinemas: "Os americanos consomem, por ano, 15,12 bilhões de litros de pipoca, cerca de 51 litros por pessoa. No Brasil, são 80 mil toneladas anualmente"

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/cinematv/pergunta_287978.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…