Pular para o conteúdo principal

BETTY COMDEN

"We meet, whether or not we have a project, just to keep up a continuity of working. There are long periods when nothing happens, and it’s just boring and disheartening. But we have a theory that nothing’s wasted, even those long days of staring at one another. You sort of have to believe that, don’t you? That you had to go through all that to get to the day when something did happen.”¹ (Betty Comden)

O seu nome é pouco conhecido entre os menos acostumados com o universo do cinema e talvez até mesmo para alguns especialistas. Ela foi uma das mais destacadas roteiristas nos anos 50 e escreveu um dos musicais mais aclamados em toda a história da sétima arte: Cantando na Chuva, (Singin' in the Rain,1952), mas também juntou ao seu amplo acervo outros musicais como A Roda da Fortuna (The Band Wagon, 1953) e Dançando nas Nuvens (It's Always Fair Weather, 1955). Em meu trabalho de garimpagem não encontrei outra roterisa com o mesmo currículo. Certamente foi uma das primeiras roteiristas mulheres a ter projeção, ao lado de seu eterno parceiro Adolph Green.

Betty Comden nasceu em Nova Iorque em 1917 e faleceu na mesma cidade em 2008.

Nota:

¹ Nós nos encontramos quando temos ou não um projeto, só para manter a continuidade do trabalho. Existem longos períodos em que nada acontece, e é apenas chato e desanimador. Mas nós temos uma teoria que nada está perdido, mesmo aqueles longos dias de olhar um para o outro. Você tem sorte de acreditar nisso, não é? Que você teve que passar por tudo isso para chegar o dia em que alguma coisa aconteceu.

Foto divulgação New York Times, Betty Comdan e Adolph Green

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…