Pular para o conteúdo principal

Uma Mãe em Apuros (Motherhood, 2009)

O filme é dirigido e escrito por Katherine Dieckmann, tendo Uma Thurma (Eliza Welsh) no papel principal. A narrativa conta a estória de Eliza Welsh, uma esposa insatisfeita e mãe esforçada. Para ela, a família está em primeiro lugar... ou quase. Eliza além de cuidar das tarefas da casa mantém, com muita dificuldade, um blog onde registra suas impressões dos acontecimentos. É uma forma de estar em contato com o mundo e com a escrita, pois a sua profissão é escritora. Contudo, as suas exaustivas tarefas cotidianas, cuidando da casa, dos filhos e do marido a exaurem, levando-a a um extremo estresse e provocando situações bizarras como a de sair de casa com o marido e filhos de camisola, sendo alertada pela vizinha (ver cartaz ao lado). Uma outra cena bastante emblemática mostra a personagem extravasando, permitindo-se liberar o seu gênio rebelde quando dança rock com o mensageiro em sua casa, um jovem indiano de aproximadamente 20 anos. Outra cena é quando a rua onde mora passa a ser cenário de um filme, o que a proibe de estacionar o carro em frente a sua casa. A luta pela vaga é uma das cenas mais interessantes do filme porque mostra o caos dos centros urbanos em relação a via pública e o desespero da mãe em chegar em casa para preparar o aniversário da filha. Um elemento metalinguístico aparece nesse trecho por encenar as filmagens de um filme dentro do filme. Esse recurso ajuda a criar um efeito de verdade, pois se há um filme sendo rodado no filme o que está fora da filmagem é "realidade", é o que acontece no mundo real quando nos deparamos com um trecho da rua interditado para as filmagens. A perspectiva aponta para o que está dentro das filmagens ser considerado ficção e o que está fora ser realidade.

A personagem está de fato em apuros porque a sua vida está sem sentido, falta-lhe uma realização pessoal, que nem a maternidade, nem a condição de esposa lhe garante. Ao aparecer comumente descabelada, suada, estafada, a idéia que passa para o espectador é a de que a personagem está no seu limite, não consegue se olhar, se ver e se melhorar. A vida que leva não a motiva a nada, a sequer vestir-se. Por sugestão de uma amiga, compra um vestido, mas sem saber ao certo onde e usá-lo e para qual propósito.

O blog é seu escape. Na festa de aniversário da filha, ela sai de casa, fica sentada na escada do corredor do prédio, tentando postar. O marido fica dentro de casa, mas visivelmente insatisfeito, mostrando-se solidário enquanto ela faz o seu texto para postagem. Ao sair por alguns segundos, o esforço que faz é visível, informando a ela que está tudo sob controle. Nem tanto. A sua filha escapa da festa e vai ter com a mãe que interrompe o que está fazendo para acompanhá-la na festa.

Apesar do filme terminar com um happy end, a primeira impressão da atriz desanimada e confinada àquela existência descrita de forma tão pequena é chocante. A imagem enlouquecida da protagonista faz qualquer mulher repensar a maternidade.

Ficha técnica:

Diretora: Katherine Dieckman
Roteiro:  Katherine Dieckman
Produção: Rachel Cohen, Jana Edelbaum, Pamela Koffler, Christine Vachon, John Wells
Gênero: Comédia
Ano: 2009
Elenco: Uma Thurman, Anthony Edwards, Minnie Driver, Javier Picayo, Vincent James Russo, Jenny Kirlin, Maya Ri Sanchez

Comentários

  1. Amei o filme! Apesar de não entender como pode ser chamado de "comédia". rs!
    Obrigada pela indicação.

    ResponderExcluir
  2. De fato não chega a fazer o espectador rir, como o que eu assiti hoje "Simplesmente Complicado", com Meryl Streep, da diretora Nancy Meyers. Eu fiquei estressada com o filme... :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…