Pular para o conteúdo principal

Dirigir filmes: uma tarefa penelopeana

Sandra Werneck, aos 58 anos, tem despontado como uma das diretoras brasileiras mais atuantes no momento. Os filmes sob a sua direção em geral são bem aceitos pelo público: Pequeno Dicionário Amoroso (1997), Amores Possíveis (2001), Cazuza - O Tempo não Pára (2004), Meninas (2006), Sonhos Roubados (2009). Os dois primeiros seguem um filão holywoodiano das comédias românticas, mas os três últimos possuem carga dramática mais densa. No entanto, sabemos o quanto é difícil adentrar no espaço da direção. Uma das mais conhecidas e antigas, Suzana Amaral, aos 77 anos, dirigiu quatro filmes, o que mostra a grande dificuldade no Brasil para as mulheres atuarem como diretoras.

Para se ter uma idéia, um diretor da mesma geração, Nelson Pereira dos Santos, 81 anos, dirigiu vinte e oito filmes; Ruy Guerra, aos 78 anos, dirigiu dezoito filmes; Bruno Barreto, da mesma geração que Sandra Werneck, com 54 anos, já dirigiu vinte filmes. Isso apenas para mostrar de uma maneira panorâmica que a linguagem tem sido dominada e controlada pelos homens, principalmente a linguagem artística. Na literatura, o cânone foi construído a partir de critérios para qualificar as obras. As antologias, tão usadas nas escolas, traziam sempre os mesmos autores e obras, ajudando a erigir um "gosto" literário. Da mesma forma, o cinema lança mão de estratégias semelhantes, pois quando se deseja falar em filmes clássicos ou cult, e aqui já temos uma valorização da obra, são citados os mesmos autores: Fellini, Truffaut, Bergman, Hitchock e alguns poucos. As mulheres não fazem parte dessa constelação. Os filmes chamados "cult" são considerados de "arte" e, para alguns, dizer que gosta de Trauffaut é o mesmo que assinar o epíteto de intelectual.

Essa forma de catalogar as produções acaba auratizando os diretores e reservando às diretoras um lugar secundário. Acredito que existam formas de fazer cinema e que cada diretor lança mão de recursos cinematográficos para dizer algo ao espectador. Acontece que, quando o cineasta usa mais a linguagem cinematográfica, experimentando mais os recursos técnicos, costuma-se a valorizar mais o seu produto. Isso não significa que os filmes dirigidos e escritos por mulheres devam ser canonizados, talvez colocá-los no mesmo patamar. O que faz, por exemplo, um filme E La Nave Va, de Fellini, ser um clássico e Eve's Bayou (Amores Divididos, 1997), de Kasi Lemmons não ser ou, ainda, para não entrar na armadilha de ratificar a mesma lógica, por que não dizer que os dois filmes atenderam aos seus propósitos?

As diretoras brasileiras embora tenham produzido quantitativamente menos filmes do que os homens, o que elas vêm fazendo têm dado bons resultados fílmicos. Carla Camurati, 49 anos, por exemplo, dirigiu e escreveu, juntamente com Melanie Dimantas, um dos filmes mais importantes da filmografia brasileira: Carlota Joaquina - A Princesa do Brazil (1995) . O premiado filme teve uma boa aceitação da crítica e do público diante do recurso de interseccionalizar cinema e história com uma visão parodística e desmitificadora e, portanto, crítica da chamada "história oficial" produzida pelo discurso masculino para mostrar seus feitos heróicos. No filme de Camurati, não há heroísmo algum em D. Pedro I e a princesa Carlota Joaquina está longe de ser a personificação das princesas dos contos de fada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…