Pular para o conteúdo principal

Garçonete (Waitress, 2007)

Longe de ser aquilo que a capa do DVD promete, Garçonete (Waitress, 2007), de Adrienne Shelley (1966-2006), não é uma comédia, mas um drama sobre a vida de uma garçonete que trabalha em um restaurante e é expert em tortas. Além de não ser reconhecida em seu trabalho, Jeena (Keri Russel) convive com um marido controlador e violento que a agride verbalmente e espanca, Earl (Jeremy Sisto). Certo dia, o marido a deixa embriagada e a engravida, mas Jeena esconde até que um dia ele resolve atacá-la e para defender-se acaba contando sobre a gravidez. O marido a ameaça, caso ela venha a gostar mais da criança do que dele. Neste ínterim, ela conhece o seu ginecologista e obstetra, Dr. Pomatter (Nathan Fillion) com quem tem um caso e é casado também.  Na maternidade, depois que a filha nasce, Jeena pede divórcio ao marido que tenta agredi-la, sendo contido pelo médico e enfermeiros.

Keri Russel
No entanto, um gesto mudará a vida de Jeena. Antes do parto, o dono do restaurante Joe (Andy Griffith), que está no mesmo hospital para uma cirurgia, entrega um envelope a Jeena, contendo um cartão com o seu rosto desenhado, além de um cheque com o qual ela compra o restaurante pertencente a Joe e recomeça a vida, aliás mensagem que está no verso do desenho deixada por ele.

O final do filme, quando Jeena sai de seu restaurante,  a câmera focaliza uma estrada - metáfora muito comum em filmes, simbolizando um caminho aberto, percurso da vida a ser trilhado -com a mãe e filha ao centro andando de mãos dadas. As duas neste momento vestem roupas idênticas, um vestido amarelo com avental branco.

Adrienne Shelley
O filme trilha a história de vida de uma mulher que mesmo nas adversidades não perde a generosidade, o que a aproxima do dono do restaurante, uma pessoa que não atrai muita simpatia. A sua estratégia de vida a conduz a conquistas, como a de vencer um concurso de tortas, e de obter o reconhecimento e a amizade de Joe, dono do restaurante, que lhe deixou um cheque valioso antes de morrer (embora o filme não mostre isso, apenas informa que ele entrou em coma). A generosidade do dono do restaurante, um velho que se auto-definia como uma "galinha sem cabeça", foi despertada pela forma que Jeena o tratava. Mesmo com um marido agressivo e vivendo o desespero de ver seu sonho ruir com a gravidez, chegando mesmo a não desejá-la, Jeena procurava ser bondosa, o que foi estratégico para a sua sobrevivência.

Keri Russel, Adrienne Shelley e Cheryl Hines
O filme é dramático, embora leve em algumas passagens, mas extremamente tenso. Diante de uma situação opressora, a mulher sem dinheiro, e com baixa auto-estima, mesmo com talento, não tem forças para sair do círculo de dependência, sobretudo fragilizada com a gravidez. Uma forma de driblar e sobreviver é evitando o confronto e desviar-se da tristeza, o que ela consegue quando se torna amante do seu ginecologista de quem recebe atenção e carinho. O filme desloca um happy end convencional em que a mulher termina feliz ao lado de um homem, apontando para outras formas de realização: via maternidade e profissão, pois a personagem consegue se tornar uma empresária no mesmo momento em que se torna mãe. Neste sentido, a presença masculina torna-se secundária, dando ênfase a relação mãe-filha e as relações de amizade entre a protagonistas e suas colegas de trabalho e amigas. É um olhar feminino e diria feminista, de um jeito suave de ser feminista.

Ficha Técnica
título original:Waitress
gênero:Drama
duração:1 hr 47 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Night and Day Pictures
distribuidora: Fox Searchlight Pictures
direção: Adrienne Shelly
roteiro: Adrienne Shelly
produção: Michael Roiff
música: Andrew Hollander

Vale resslatar que a diretora, que também atua como uma das garçonetes, faleceu em 2006, um ano antes do lançamento do filme.

A atriz Cheryl Hines, a outra garçonete, dirigiu outro filme dramático, roteirizado por Adrienne Shelley, intitulado no Brasil de "Armadilhas do Amor", 2009, com Meg Ryan e Timothy Hutton.

Comentários

  1. Parece que o valor do cheque é em torno de 2 milhoes e xxx centenas de dolares.

    Nao era mais facil ele passar a lanchonete, o posto de gasolina, a padaria, etc, tudo no nome dela, ja que ele nao tinha parentes?

    Pois se ela comprou o restaurante do velho, com o dinheiro que ele mesmo deu em cheque, como ela teria pagado se ele ja estava morto?

    Pena que ela nao ficou com o medico, dispensou ele como um cachorro, foi um golpe baixo igual ao dado no marido, ele nao merecia, era so ele ter se separado da mulher tbem, e terminado junto com ela.

    No sei realmente onde o diretor estava com a cabeça, conseguiu estragar um filme que tinha tudo para ser bom. Talvez as drogas tbem tenha pego mais um patricinho da vida.

    Estar com a mao na massa e nao saber aproveitar, igual ao que acontece com filmes e novelas aqui no br.

    Bom filme, gostei!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…