Pular para o conteúdo principal

Ecos do Oscar concedido ao filme Guerra ao Terror, de Katryn Bigelow

''Depois que você trabalha há anos em um estúdio, você se sente como uma das pernas de uma centopéia, útil como uma espécie insignificante em um módulo operacional ...". (Francis Marion, roteirista)

Recentemente estive conversando com um aluno do curso de Comunicação sobre filmes, direção e mulheres, aliás uma trilogia que rende uma boa conversa. Uma conversa que me proporcionou um olhar suplementar às minhas reflexões sobre o filme Guerra ao terror, de Katryn Bigelow, vencedora do Oscar de melhor diretora em 2010. Lembro-me de ter lido na época em que ocorreu a premiação um e-mail escrito por um homem, por sinal indignado, pelo fato de Avatar não ter ganhado o Oscar naquele ano. O referido autor sugeria em seu texto que se deveria ver os filmes para além das questões de sexo (não mencionou gênero), já que Avatar seria muito mais crítico em relação à sociedade, do que Guerra ao Terror, que, segundo o crítico, trazia uma imagem condescendente dos norte-americanos em relação ao oriente médio. Em outras palavras: o crítico tentava persuadir de que não caberia ali a defesa da mulher, mas da ideologia do filme.

A questão colocada pelo crítico é bastante pertinente e penso que ele tenha razão no que diz, porém, para os estudos feministas do discurso, a análise de um filme não pode prender-se exclusivamente à sua diegese e, aqui reside uma questão importante: as condições de produção. O filme Guerra ao Terror pode significar, por mais estranho que possa parecer, uma resposta à cultura androcêntrica da sociedade ocidental, principalmente no cinema, um reduto muito masculino. Se apenas quatro mulheres concorreram como diretoras nos quase 90 anos de premiação e apenas uma venceu com um tema de interesse masculino e norte-americano, sobretudo em um momento delicado em que um novo presidente tentava reunir uma nação aterrorizada e minimizar uma imagem negativa, bélica, propagada pelo seu antecessor, é porque a lógica hollywoodiana ou pelo menos da associação dos diretores daquele país, na maioria homens, orquestra a forma de se fazer cinema para premiação.

Katryn Bigelow mostrou que 1) uma mulher pode dirigir qualquer gênero de filme; 2) que Hollywood é androcêntrica, pois precisou que ela dirigisse um filme ao gosto masculino para ser premiada; 3) o cinema é um discurso e, portanto, performance; 4) se uma diretora quiser ser premiada em Hollywood terá de ser travestida de homem (metáfora). Em outras palavras: o cinema hoje, naquele país, parece viver como as mulheres no século XIX que, para escrever os seus romances e publicá-los, tinham que usar pseudônimos, se vestir de homens (literalmente), a exemplo de George Sand, ou então o que algumas escritoras brasileiras fizeram no início do século XX, como Raquel de Queiroz, ao escolher temas canônicos, como o sertão, para entrar no seleto grupo das historiografias literárias, ser lida, portanto (de fato, o seu livro foi selecionado pela escola que estudava no final dos anos 70). Mesmo sem ter escrito com uma linguagem marcada criticamente pelas questões de gênero, isso não significa que a crítica feminista não veja a sua produção como uma forma de inserção literária e, também, como uma questão estrutural, mais ampla, de ordem sociocultural androcêntrica que direcionava a crítica literária na seleção dos livros a serem editados, distribuídos e lidos. O cinema parece viver isso hoje, no século XXI.

Bigelow sabia que com O Peso da Água (The Weigth of Water), de 2002, um filme denso estrelado pela não menos intensa Sarah Polley (Fez dois filmes com a diretora espanhola Isabel Coixet), não chegaria a vencer o Oscar. Para isso, teria de ser um filme que trouxesse um impacto menos intimista (embora o filme Guerra ao Terror mostre isso em algumas cenas), e que projetasse uma imagem norte-americana positiva como exigia o momento político naquele momento.

A premiação do filme Guerra ao Terror deixou visível não apenas os laços estreitos entre o cinema de premiação e a política, mas o campo hostil às mulheres, inclusive premiando-a (!), pois a premiação não é para “elas”, mas para “eles”, para a servir à ideologia “deles”. Para serem premiadas, o que representa certa visibilidade, elas tiveram de percorrer um século e perceber o quão androcêntrica é Hollywood e dizer isso não no espaço da narrativa fílmica, como em Thelma e Louise, roteiro de Callie Khouri (venceu o Oscar de melhor roteiro), mas negociando com os poderosos diretores da indústria cinematográfica. A mensagem deles foi dada: elas podem ganhar um prêmio, mas escolheremos de que forma.
 
“Se Bigelow for indicada por melhor direção no Oscar em março, seria apenas a quarta vez que uma mulher foi indicada, sem contar com as mais de 400 indicações para diretor ao todo (as outras três foram Lina Wertmüller em 1976, Jane Campion em 1993, e Sofia Coppola em 2003). Nenhuma mulher jamais venceu. (COCHRANE, 2010).
 
 
Nenhuma mulher acima de 40 teria possibilidade de resistir a filmagem de um longa. Eu escutava as pessoas dizerem que o tipo de filmes que eles queriam fazer era muito longo, muito árduo para uma diretora. O pior era quando o meu agente enviava uma outra diretora para entrevista, e depois o rapaz me chamava e dizia, ‘nunca me envie alguém novamente com quem eu não quisesse transar’. (COCHRANE, 2010)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…