Pular para o conteúdo principal

Quando se gosta, se quer saber a história

Quando gostamos de alguém, seja qual for o nível de afeição, somos compelidas a querer conhecer o objeto da nossa afeição, incluindo a sua história. Durante um bate-papo,  enquanto a pessoa faz um percurso nos labirintos da memória, guardamos várias informações que são selecionadas de acordo com os nossos interesses: as ações, o momento em que aconteceu, os nomes das pessoas que fizeram parte de sua história de vida, enfim, uma série de dados que nos ajudam a fazer conexões e que nos levam a endender o sujeito que está ali diante de nós. Mas isso não acontece apenas nas relações interpessoais...

Quando dizemos que gostamos de cinema, temos afeição por ele, temos a necessidade de conhecer a sua história, quando e onde tudo começou, quem eram as pessoas envolvidas, o que elas pensavam e quais foram as suas contribuições para o cinema hoje. Mesmo que as relações não sejam tão lineares, porque o movimento não se apresenta dessa forma, mas como fluxo e refluxo, apontando para multidireções, o cinema que temos hoje é resultado de ações anteriores de homens e mulheres.

Às vezes me pego pensando se para ser um crítico de cinema seria melhor ler os livros teóricos, dos estudiosos, ou ver os filmes de diferentes épocas e de autores diversos, atentando comparativamente para as "especificidades do cinema" ou os temas propostos pela película.

Por formação acadêmica, tendo  a buscar nos livros a  segura e confiável (?) companhia nessa jornada, mas não é o suficiente. Assim, se por um lado o livro ajuda a situar o leitor em formação crítica para os elementos fundamentais da análise cinematográfica, assitir aos filmes dá ao crítico em formação uma experiência única e fundamental. Deste modo, estudar cinema corresponde a ter interesse por tudo que diz respeito a ele, mesmo que haja um recorte específico, como no meu caso. Conhecer a história, as teorias, a linguagem cinematográfica, o making off, a vida dos artistas e diretores e como o discurso é construído em torno destes. Estudar cinema é racionalizar o cinema, pensar na linguagem cinematográfica enquanto se assiste a um filme, por exemplo. Rir de si mesma, quando você se flagra com os olhos lacrimejantes diante de uma cena melodramática (e não são poucas). E você diz a si mesma: que recurso! (recompondo-se da cilada da transferência).

Certa vez, conversando com uma amiga, ela me perguntou se eu não "relaxava" quando assistia a uma peça de teatro, um filme ou escutava uma música. Isso porque tinha dito a ela que analisava o que via sempre por um viés feminista. Disse a ela que era muito difícil ler um texto sem acionar os conceitos e todo o acervo que se dispõe, principalmente depois que se perde a ingenuidade com os dispositivos teóricos. Não funciona como um interruptor que você liga e desliga. Mas confesso que com os filmes, por conta do fluxo da narrativa, do uso dos sofisticados  recursos cinematográficos, cada vez mais ágeis, coloridos e sonoros, às vezes adormeço e começo a sonhar, mas é por um breve tempo. É quando a crítica ri da espectadora e lança um olhar compreensivo e, ao mesmo tempo, indagador.

Ao assitir a um filme, fico fascinada não apenas com os elementos que compõem o filme  mas, sobretudo, quando tomo a consciência de que estava sendo conduzida pela trama. É no mínimo divertido ser sujeito e objeto da análise fílmica. O estudo da espectatorialidade é, no meu entendimento, um dos estudos mais importantes atualmente sobre cinema, pois ele consegue articular tudo que envolve o cinema desde os elementos intrísecos, como a linguagem cinematográfica, até os extrínsecos, como as políticas públicas e as questões de distribuição e exibição.

Quando assisto a uma filme dirigido por mulheres, por exemplo, procuro ver a ficha técnica e a sua composição, pois muitas preferem trabalhar majoritariamente com mulheres; fico interessada em ver como elas vão abordar determinado assunto, quais as estratégias usadas, o gênero dos filmes, quais e como as experiências de mulheres são colocadas no filme, quais as tensões e o que não fica resolvido. Para além do filme, interesso-me pela inscrição de uma história de cinema em que as mulheres apareçam como sujeitos e não apenas como musas, fruto de um "male gaze" de diretores. Interesso-me pela quase total ausência de livros de viés feminista sobre as mulheres diretoras no Brasil e na Bahia (o autorismo necessário para dar visibilidade a um lugar inóspito às mulheres) e pela quase ausência também de livros sobre a recepção (espectatorialidade) das muheres que assistem aos filmes nos multiplexes, quase todas meninas e adolescentes, pois como bem disse Setaro certa vez em uma entrevista, hoje os filmes são quase todos voltados para esse público e, acrescento, mesmo aqueles feitos para adultos estão pincelados com tintas excessivamente coloridas e juvenis.

Mas gostar de cinema, assim como das pessoas, exige um envolvimento completo, dialógico, dialético, entendendo que a completude se dá através de relação metonímica, em que as partes formam o todo, mesmo que as partes sejam conflitantes e nem tão harmônicas (e nem deveria). Para entender o cinema em sua totalidade (se é que é possível) deve-se atentar para as suas particularidades e diversidade. As mulheres, sem dúvida, fazem parte da história do cinema, mas que precisa ser investigada e contada de uma forma mais sistemática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…