Pular para o conteúdo principal

SÓ DEU ELA! BIGELOW!

Estou satisfeita. No Dia Internacional da Mulher não poderia haver premiação mais justa e simbólica. Deu Kathryn Bigelow! O mais aborrecedor são os comentários, como este abaixo:

"Guerra ao Terror" foi o grande vencedor da noite, conquistando seis dos nove prêmios a que foi indicado e deixando Avatar para trás, com apenas três estatuetas. Kathryn Bigelow é a primeira mulher a ganhar o prêmio de direção na história do Oscar. Ela foi casada com James Cameron, o diretor de "Avatar", o que deixou a disputa ainda mais acirrada. Confira todos os vencedores" (cineinsite). - grifos meus.

Os comentaristas de cinema continuam se referindo a Bigelow como ex- de Cameron, isto é, mesmo depois de terminado o casamento, o vínculo permanece. Mesmo que fosse casada, o que deveria estar em evidência é o resultado do trabalho e não o seu estado civil. A tutelagem que secularmente acompanhou as mulheres é de uma misoginia terrível. O senso comum só se refere a Bigelow dessa forma, como a ex- de Cameron. Eu não sei se é o senso comum que está comentando cinema ou se os comentaristas estão formando o senso comum. Nem mesmo Steve Martin resistiu a associação.

Penso que Kathryn Bigelow deva ser simplesmente apontada pelos meios de comunicação como uma competente diretora e não como a esposa de, a filha de ou a ex-esposa de. É como se lhe faltasse identidade própria e o seu valor estivesse ancorado em outra pessoa.

Kathryn Bigelow ganhou o Oscar, o que é um passo considerável se pensarmos nos anos de negativas às mulheres que dirigiram filmes belíssimos antes de Bigelow. A própria Barbra Streisand, que lhe entregou o prêmio, dirigiu Yentl, mas não foi eleita, e Jane Campion que foi indicada com o filme O Piano também não recebeu a estatueta, embora ambas merecessem, mas a ditadura do patriarcado hollywoodiano jamais permitiria. 

Bigelow conseguiu com uma temática difícil, bem ao gosto masculino (talvez tenha sido essa a senha de acesso, embora seja um filme de guerra  diferente). Em geral, as diretoras têm optado pelo drama romântico ou comédia romântica.
Vamos aguardar que os filmes premiados entrem no circuito. Alguns já estão, como o vitorioso Guerra ao Terror e o espetaculoso Avatar.

Lista dos premiados:


  • Melhor Filme: "Guerra ao Terror" de Kathryn Bigelow, Mark Boal, Nicolas Chartier e Greg Shapiro

  • Melhor Direção: Kathryn Bigelow, "Guerra ao Terror"
  • Melhor Atriz: Sandra Bullock, "Um Sonho Possível"
  • Melhor atriz Coadjuvante: MoNique, "Preciosa - Uma História de Esperança"
  • Melhor Ator: Jeff Bridges, "Coração Louco"
  • Melhor Ator Coadjuvante: Christoph Waltz, "Bastardos Inglórios"
  • Melhor Animação: "Up - Altas Aventuras" - Pete Docter
  • Melhor Filme Estrangeiro: "O Segredo dos Seus Olhos", de Juan José Campanella (Argentina)
  • Melhor Direção de Arte: "Avatar" - Rick Carter e Robert Stromberg (Direção de Arte); Kim Sinclair (Decoração do set)
  • Melhor Fotografia: "Avatar" - Mauro Fiore
  • Melhor Figurino: "The Young Victoria" - Sandy Powell
  • Melhor Montagem: "Guerra ao Terror" - Bob Murawski e Chris Innis
  • Melhor Maquiagem: "Star Trek" - Barney Burman, Mindy Hall e Joel Harlow
  • Melhor Trilha Sonora: "Up - Altas Aventuras" - Michael Giacchino
  • Melhor Canção: "The Weary Kind", "Coração Louco" - Ryan Bingham e T Bone Burnett
  • Melhor Roteiro Original: "Guerra ao Terror" - Mark Boal
  • Melhor Roteiro Adaptado: "Preciosa - Uma História de Esperança" - Geoffrey Fletcher
  • Melhores Efeitos Visuais: "Avatar" - Joe Letteri, Stephen Rosenbaum, Richard Baneham e Andrew R. Jones
  • Melhor Edição de Som: "Guerra ao Terror" - Paul N.J. Ottosson
  • Melhor Mixagem de Som: "Guerra ao terror" - Paul N.J. Ottosson e Ray Beckett
  • Melhor Documentário: "The Cove" - Louie Psihoyos e Fisher Stevens
  • Melhor Documentário em Curta-metragem: "Music by Prudence" - Roger Ross Williams e Elinor Burkett
  • Melhor Curta-metragem: "The New Tenants" - Joachim Back e Tivi Magnusson
  • Melhor Curta-metragem de Animação: "Logorama" - Nicolas Schmerkin

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RECÉM-NASCIDOS NO CINEMA

Sinal dos tempos.
Recentemente fui assistir ao filme de animação Rio, no Shopping Salvador Norte, e me deparei com uma cena absurda: um bebê recém-nascido dentro da sala de exibição. Como se não bastasse o carrinho de pipoca e outras guloseimas dentro da sala e das bandejas repletas de frituras, exalando óleo requentado por todo o espaço, temos agora mais esta.
Durante a projeção do filme, o bebê chorava compulsivamente, forçando os espectadores a pedirem constantemente silêncio. Fico me perguntando o que leva os pais a cometerem tamanha tentantiva infanticida, submetendo o seu próprio filho a uma sala extremamente fria, ensurdecedora e repleta de ácaros e outros microorganismos prontos para atacarem o corpo frágil e indefeso do bebê. Imagino que os pais deveriam zelar pelo bem-estar dos seus filhos, serem responsáveis pela sua saúde e não o inverso. Fico me perguntando ainda o que levaria o empresariado a acobertar tal malefício, em nome de uns míseros “reais”.

Trata-se, a meu ver, de …

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NOS FILMES

Uma mulher casada ou solteira é submetida a maus tratos pelo marido ou amante. Esta ideia já serviu de roteiro para vários filmes e a postagem aqui seria longa se analisássemos cada um deles. Alguns destes filmes foram dirigidos por homens, outros por mulheres, mas o importante é que o tema tem sido bastante filmado ao longo dos séculos. O que isso significa?
No dia 08 de março, o mundo se volta às questões da violência contra a mulher, não que em outros dias esta situação não seja acompanhada com intervenção de entidades e de pessoas, mas neste dia formou-se uma rede de ações que dão visibilidade a um problema sério no tecido social. Um problema que adoece a sociedade, transformando os homens em criminosos e as mulheres em cadáver.
A sociedade tem sido a mortalha para muitas mulheres.
Os filmes que tratam da violência contra a mulher são em geral ambientados no espaço domiciliar, com maridos violentos que buscam a todo custo submeter às mulheres a maus tratos físicos e psicológicos. …

As Ladies Marian em duas versões de Robin Hood

Mesmo quando o filme traz um homem na figura central da trama, não deixo de observar como as mulheres são vistas pelos seus roteiristas e diretores.
Uma personagem instigante é Lady Marian que aparece nos filmes como par romântico de Robin Hood. A literatura mostra que nem sempre foi constante a forma de representar esta personagem e isto pode ser perceptível quando tomamos dois filmes recentes sobre o legendário arqueiro. Uma das versões é a de Kevin Reynolds (1991) Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (Robin Hood, Prince of Thieves) que traz  Mary Elizabeth Mastrantonio como a atriz que desempenha o papel de Lady Marion. A sua primeira aparição no filme já mostra um conflito de gênero quando luta com Robin Hood (Kevin Costner) inicialmente com a espada e depois no corpo-a-corpo, quando é vencida. Neste momento, ela está usando uma armadura preta. Com a presença de Robin Hood, Lady Marion vai perdendo este ar mais agressivo e tornando-se dependente da proteção dele. Robin já havia prome…